Homenageados

Prêmio Odebrecht para o Desenvolvimento Sustentável
Proposição de um pavimento ecológico para a cidade de Fortaleza a partir do aproveitamento de resíduos ambientais

Proposição de um pavimento ecológico para a cidade de Fortaleza a partir do aproveitamento de resíduos ambientais

  • Integrantes:

    Márcio Anderson Guedes Vasconcelos
    Orientadora: Suelly Helena Araujo Barroso
    Universidade Federal do Ceará – UFC

Resumo do Projeto

Este trabalho propõe a execução de um pavimento ecológico construído com materiais alternativos para uma via situada no Campus do Pici da Universidade Federal do Ceará (UFC), de modo a contribuir para o desenvolvimento sustentável de regiões produtoras de grandes resíduos ambientais.

Para tanto, foi investigada a possibilidade de emprego dos seguintes materiais nas camadas desses pavimentos: (a) RCD (Resíduo de Construção e Demolição) puro e misto, como alternativa para a construção de camadas granulares; (b) mistura de 60% de CAP (Cimento Asfáltico de Petróleo) com 40% de LCC (líquido da castanha de caju), nomeada CAP/LCC, para emprego na imprimação betuminosa; e (c) RCD puro, empregado como agregado na mistura betuminosa. Para a composição das camadas granulares foram coletados três materiais: RCD misto, RCD puro (graúdo e miúdo) e um solo da cidade de Fortaleza.

Duas misturas foram testadas, a primeira constituída apenas pelo RCD misto (Mistura 1) e outra, composta de 50% de RCD puro graúdo, 40% miúdo e 10% do solo (Mistura 2). Foram executados ensaios de resistência mecânica que comprovaram as propriedades adequadas dos resíduos para serem empregados em camadas granulares.

Na imprimação betuminosa foi proposta uma alternativa constituída da mistura de CAP/LCC, que foi comparada com um ligante convencionalmente aplicado nos serviços de pavimentação (asfalto diluído de cura média – CM30), testada em três taxas distintas (0,8L/m², 1,0L/m² e 1,2m²). Considerando-se satisfatório o parâmetro de penetração de 4 a 10mm, ambos os ligantes mostraram-se adequados para imprimação da Mistura 2.

O estudo também comprova a possibilidade do emprego de taxas menores de imprimação, o que representa uma economia nesse tipo de serviço. Por fim, um pavimento foi dimensionado, à luz do método empírico do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes), resultando em uma espessura total de 50cm, com revestimento em Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ), constituído de uma mistura betuminosa de RCD puro graúdo e miúdo + 7% da cal.